Você Sabia 19 – San Juan de Ortega – BURGOS – 513,6 Km de Santiago

Juan de Velásquez, que passou à História como San Juan de Ortega, nasceu em Quintanaortuño, em 1080, em uma família de grandes posses. No retorno de uma peregrinação à Terra Santa, tornou-se o grande colaborador e continuador da obra de Santo Domingo de la Calzada, dedicada ao Caminho de Santiago de Compostela e aos peregrinos. Porém sua obra mais importante foi a construção de uma igreja dedicada a San Nicolás de Bari e de um pequeno monastério em Montes de Oca, localidade hoje denominada San Juan de Ortega.

Quando morreu, em 1163, foi sepultado na mesma igreja românica que ajudou a erguer e passou a ser invocado para curar a esterilidade feminina e para auspiciar um bom parto. Em 1477, a rainha Isabel I, – grávida do primeiro filho -, peregrinou ao lugar, atraída pelas propriedades milagrosas contra a esterilidade que se atribuíam ao santo. Agradecida pelos favores, mandou ampliar a igreja até completar o grupo de edifícios que hoje se vê:  igreja monacal, capela de San Nicolás de Bari, claustro dos monges Jerônimos e o albergue. No interior da igreja está o mausoléu do santo, esculpido em delicado estilo isabelino. A abóbada gótica ostenta os escudos dos Reis Católicos, Isabel e Fernando. Sobre o capitel da Anunciação, a cada equinócio de primavera ou de outono, incide um raio de sol que ilumina o magnífico entalhe da Virgen María, como se ela se voltasse à luz e não ao arcanjo Gabriel. Os moradores chamam a isso ‘el milagro de la luz’.

A generosidade da rainha Isabel I virou lenda. Após rezar diante da tumba do santo, teria insistido para que fosse aberta, para que ela contemplar o corpo. Diante da insistência real, os monges teriam cedido e levantado a tampa da tumba. Imediatamente dali teria saído de dentro um enxame de abelhas brancas que revoaram pela cripta, até que, comprovado que o corpo estava íntegro, teriam retornado, antes que a tumba fosse lacrada novamente. A lenda ainda acrescenta que as abelhas são almas de não-nascidos aguardando que San Juan de Ortega interceda para que venham ao mundo.

Agés – BURGOS – 509,9 Km de Santiago

Povoado com interessantes exemplos de arquitetura tradicional. Como toda a região, também Agés foi favorecida pelos trabalhos de engenharia de San Juan de Ortega. Ele desbastou os montes, drenou e aterrou pântanos e traçou o caminho que leva a Atapuerca. À saída do povoado há uma ponte de um único arco sobre o rio Vena, cuja construção é atribuída ao santo engenheiro.

Atapuerca – BURGOS – 507,4 Km de Santiago

A região de Atapuerca – que une o vale do rio Ebro com o vale do rio Duero –atraiu e fixou populações, devido a suas terras férteis e a abundância de recursos hídricos, animais e vegetais. Os vestígios mais antigos dizem respeito ao Homo Antecessor, que surgiu há 780 mil anos.

Além do fato histórico mais relevante do povoado ter sido a ocorrência da Batalha de Atapuerca, em 1054, entre castelhanos e navarros – na qual morreu García Sánches III de Pamplona -, a pacata vila é conhecida internacionalmente pela riqueza de achados arqueológicos na região, com a descoberta da Galería del Sílex, em 1972, que continha restos de rituais funerários e coloridas pinturas rupestres, de traço surpreendentemente preciso e realista.

Os sítios arqueológicos da Sierra de Atapuerca são excepcionais pela abundância de fósseis encontrados, sua boa conservação e importância científica. As ferramentas encontradas, por exemplo, abarcam todas as etapas tecnológicas, desde a mais primitiva, talhada em pedra, às de bronze. Até uma espécie desconhecida de urso foi descoberta: o Ursus Dolinensis. Mas os achados mais importantes dizem respeito à evolução humana: o Homo Antecessor é o antepassado europeu mais antigo, a última espécie comum entre o Homo Neandertal, o Homo Sapiens e os pré-neandertal Homo Heidelbergensis.

Seguem-se Cardeñuela-Riopico e Orbaneja, povoados pequenos e sem expressão histórica ou econômica, e a moderna Castañares, cidade satélite de Burgos, sempre atrelada e ofuscada pela capital da província.