Você Sabia 28 – León – LEÓN – 306,8 Km de Santiago

León foi fundada no século I a.C., pelos romanos da Legio VI Victrix. Em 68 d.C. a Legio VII Gemina fundou ali um acampamento militar permanente, com o objetivo de proteger o território dos antigos ocupantes cantábrios e asturianos de origem visigoda e para garantir o transporte do ouro extraído da província. O primitivo acampamento romano desenvolveu-se e virou uma importante cidade, sempre resistindo aos ataques dos visigodos até 586, quando foi tomada por Leovigildo. Foi uma das poucas cidades que os visigodos permitiram manter suas fortificações.

Séculos mais tarde, a cidade foi tomada por invasores muçulmanos. No ano de 856, sob o rei de Astúrias Ordonho I, um grupo de moçárabes – cristãos que viviam sob o regime islâmico – obteve sucesso em retomar a região. O rei Ordonho II fez de León a capital de seu reino, em 914, e a transformou na mais importante das cidades cristãs da Ibéria.

Saqueada por Almançor em 987, a cidade foi reconstruída e repovoada pelo rei de Castilla Afonso V, cujo decreto de 1017 regulamentou a vida econômica da cidade, incluindo o funcionamento de seus mercados, o comércio e o artesanato.

Já na Idade Média, León era ponto de parada para os peregrinos que percorriam o Caminho de Santiago. Não havia na rota jacobeia cidade com tantas igrejas, conventos, albergues e monastérios como esta. Aquele era um tempo em que nem todos os peregrinos eram devotos e penitentes. Eram, antes, trapaceiros que viviam às custas de enganar os mais ingênuos, através do jogo de dados. Mesmo os lugares sagrados não eram respeitados e era comum a jogatina ocorrer nos claustros da catedral de Léon. Um peregrino abastado deixou-se levar pelo vício e perdeu grande parte de suas moedas para os dados viciados dos jogadores profissionais. Muito irritado por não poder comprovar a trapaça, o peregrino lançou seu dado em direção a uma imagem da Virgem, que veio bater no rosto do Menino, fazendo-o sangrar. Para lembrar o fato, a Virgem tem um dado no pedestal que segura sua mão direita.

Há muito o que ver em León, a começar pela catedral, cujo pórtico é orientado à Jerusalém. A pedido do bispo Manrique de Lara, o rei de León Alfonso IX fê-la construir. Arquitetos franceses a projetaram no princípio do século XIII, num delicado jogo de harmonias góticas. É considerada uma das belas da Europa e a de maior superfície de vitrais: 1.800 m². Embora sua arquitetura exterior não seja tão imponente quanto a de Burgos, estar em seu interior é como ser transportado para dentro de uma joia de incontáveis facetas, lapidadas com ciência e arte: seus vitrais são como pedras preciosas e multicoloridas, harmoniosamente incrustadas em seus delicados arcos góticos. É fascinante deixar-se banhar nos variados efeitos de luz e cor, que parecem penetrar até o âmago do ser. Tamanho é o enlevo que não se sabe se o recinto é sagrado por ser um templo ou se é um templo por ter sido sagrado por tão elevada arte.

Igualmente imponente é a igreja de San Isidoro, consagrada em 1063.  É uma mistura dos estilos românico, renascentista e barroco. Nele estão sepultados reis e rainhas leoneses e o próprio santo Isidoro. A entrada principal se faz pela Puerta del Cordero. Seu interior pouco iluminado convida ao recolhimento. Sua abóbada é recoberta de pinturas que retratam a Redenção segundo a liturgia moçárabe. Em anexo há um museu aberto à visitação pública.

O conjunto monumental de San Marcos experimentou ao longo da história múltiplos e variados destinos. Sua construção tinha como objetivo ser a Casa Mayor de la Orden de Santiago. Sua antiga sala capitular e seu claustro   foram ricamente decorados em estilo clássico, no século XVI. A igreja é de estilo gótico tardio. Hoje parte do conjunto é um museu, no qual se destaca uma importante coleção de epigrafia romana, e outra parte foi transformada em hotel.

A Casa de Botines foi construída pela família de mesmo nome como estabelecimento de comércio de tecidos e moradia. Em contraste com a arquitetura da cidade, é de estilo neogótico, seguindo projeto de Antoni Gaudi. Atualmente é sede de um banco espanhol.

O caminho medieval que levava a Santiago de Compostela era um aproveitamento da estrada construída pelos romanos que ligava Legio (León) a Astúrica Augusta (Astorga). Com pequena variação é o caminho que o peregrino segue ao sair de León.

La Virgen del Camino – LEÓN – 299,7 Km de Santiago

Após passar Trobajo del Camino – na verdade, um bairro de León, chega-se a La Virgen del Camino, localidade que sempre foi rica em mananciais aquíferos, explorados já pelos romanos, que ali construíram poços e fontes para irrigação dos pomares de uma grande quinta da qual ainda existem restos.

Em 1505, o pastor Alvar Simón afirmou ter sido agraciado com uma aparição da Virgem Maria. No local foi construído um santuário mariano, em torno do qual cresceu o povoado. O original foi substituído por um santuário em estilo moderno – em cuja lateral se destacam esculturas em bronze dos doze apóstolos e da Virgem.

A Ermida de Santiago foi reconstruída em 1777 sobre a ermida medieval preexistente. Já a igreja de San Juan Bautista foi construída em 1794, em pedra e tijolo.

A partir de La Virgen del Camino há um caminho à esquerda – menos frequentado, mas também sinalizado -, que passa por Fresno del Camino, Oncina de la Valdoncia, Chozas de Abajo, Villar de Mazarife, Villavante e, finalmente, Puente y Hospital de Órbigo.

A outra opção segue por Valverde de la Virgen, San Miguel del Camino, ambas vilas pequenas, até chegar a Villadangos del Páramo.