Você Sabia 37 – Leboreiro – Província de A CORUÑA – 59 Km de Santiago

Casanova é apenas um pequeno conjunto de casas. A três quilômetros dali está Leboreiro, ou Santa María do Leboreiro, povoado que ano a ano vê sua população diminuir.

Uma lenda local, conta que, para surpresa dos moradores de Leboreiro, surgiu uma fonte, que durante o dia emitia aromas perfumados e, à noite, se iluminava com luzes de origem desconhecida. Tomado por um milagre, o fenômeno levou aos homens do povoado a cavarem em torno da fonte, onde encontraram uma linda imagem da Virgem Maria, que levaram à igreja local. Nova surpresa, no dia seguinte voltaram a encontrar a imagem no exato local de origem. Por algum tempo, os moradores teimaram em leva-la à igreja sempre que a Virgem “fugia”, até entenderem que deviam construir uma capela no local em que foi encontrada. Assim foi feito e a imagem da Santa María de Leboreiro acomodou-se em sua nova morada. Comenta-se à boca pequena que a Virgem deixa a capela, de quando em quando, à noite, para banhar-se na fonte luminosa.

A igreja de La Virgen de las Nieves é de estilo gótico, com traços românicos; sua porta de entrada traz uma imagem esculpida de La Virgen y el Niño no colo e cercada de anjos. Seu interior contém pinturas murais do século XVI representado San Sebastian, La Anunciación del Angel, La Flagelación de Jesus.

Por toda região ainda se usam os curiosos ‘hórreos’, depósitos artesanais de grãos, em especial de milho.

Furelos – A CORUÑA – 55 Km de Santiago

Furelos mantém parte de sua arquitetura medieval: casas de pedra. Sua igreja, dedicada a San Juan, de estilo românico, tem altar e retábulo em estilo neoclássico e rococó, do final do século XVIII. Na lateral direita está o retábulo do Santo Cristo, de estilo neogótico, representando Jesus crucificado, porém com o braço direito estendido para baixo, como que a dar a mão ao fiel que o admira. É uma imagem impactante e intrigante: nos fala mais de compaixão que de sofrimento.

Melide – A CORUÑA – 53,1 Km de Santiago

Em Melide se encontram o Caminho Francês, vindo do Leste, e o Caminho Primitivo, vindo de Oviedo, ao norte.

Em 1375 construiu-se ali um monastério, uma igreja e um hospital-albergue de peregrinos de nome Sancti Spiritu, hoje transformado em museu etnográfico, o Museo da Terra de Melide.

A cidade também foi palco da Revolta dos Irmandinos, ocorrida entre 1467 e 1469, em que camponeses galegos, malnutridos e sujeitos a epidemias, enfrentaram-se com os poderosos senhores feudais. Muitas casas, castelos e fortificações da região foram destruídas.

A igreja é decorada com afrescos do século XV, que representam Santiago Matamoros, o legendário santo guerreiro que auxiliou os cristãos no combate aos invasores muçulmanos.

À saída da cidade, junto ao cemitério, está a igreja de Santa María de Melide, em estilo românico, cujo interior é decorado com afrescos.

Já próximo de Santiago de Compostela, o peregrino deixa-se tomar pela ansiedade. Não restam mais grandes cidades, majestosas catedrais ou importantes monastérios. Só pequenos povoados e muitos rios que correm para o sul, para afluir ao vale do rio Ulla.

Boente é o primeiro desses povoados, após Melide. Segue o povoado de Castañeda, onde os peregrinos deixavam as pedras de cal que traziam de Triacastela para serem processadas e enviadas para a obra da catedral de Santiago. Adiante, localiza-se Ribadiso da Baixo.

Arzúa – A CORUÑA – 39,5 Km de Santiago

Arzúa é uma pequena cidade, com ares modernos, conhecida como La Tierra de los Quesos. Ainda conserva alguns prédios antigos, como a capela de La Magdalena, do século XIV, que fazia parte de um convento de monges agostinianos; restaurada, foi transformada em museu.

Sucedem-se as localidades de Salceda, Santa Irene e Rúa, uma menor que a outra.

Pedrouzo (ou Arca) – A CORUÑA – 20,1 Km de Santiago

Também conhecida por Arca, Pedrouzo é uma pequena cidade e não está propriamente no Caminho, senão que ao lado. Contudo, conta com os serviços essenciais ao peregrino e o poupa de uma caminhada mais longa até Monte do Gozo ou até mesmo Santiago de Compostela.

Sua igreja de Santa Eulália de Arca é datada do século XIII, em estilo neoclássico, e ampliada no século seguinte. O belíssimo retábulo do altar-mor, dedicado a Santa Eulália, foi criado no século XVI, já em estilo renascentista; devido aos riscos de deterioração, foi levado ao Museu Diocesano de Arte Sacra de Álava. O altar-mor atual é bem mais modesto, emoldurado por uma enorme vieira.